O papier mâché

Papier Mâché, palavra de origem francesa, significa papel amassado.

O papel é originário da China, e desde muito cedo começou a inventa-se o papier mâché devido a ser um material muito versátil,  resistente, duradouro e simultaneamente muito leve. Teve inúmeras utilizações, desde produtos decorativos, brinquedos, moldes, capacetes de soldados, modelos anatómicos para estudo da medicina, mobiliário, barcos, substituiu o gesso no trabalho decorativos dos tetos de casas. Em 1793 e foi construída uma igreja na Noruega, em papier mâché, tendo estado em perfeito estado durante 37 anos, sendo depois demolida.

É feito com polpa de papel, ou papel cortado em pedaços pequenos, misturados com água e cola e eventualmente com gesso, farinha ou clara de ovo. Pode também usar-se uma outra técnica, através de um suporte e forrando com inúmeras camadas de papel, unidas com cola, até que a peça ganhe a consistência desejada. No final, o trabalho é envernizado e torna-se um material muito resistente e duradouro.

Há alguns artistas que utilizam o papier mâché como base do seu trabalho (ver a obra de José de Guimarães).